segunda-feira, 1 de janeiro de 2018

Retrospectiva de 2017

Já li milhões de posts de agradecimento a 2017 e das esperanças para 2018. Então, para ser mais uma em um milhão, também vou partilhar retrospectiva do meu ano de 2017.

Se tivesse que usar uma palavra para descrever como foi 2017, a primeira que me surge à mente é: Merda. 2017 foi um ano de merda.
Alguma coisa que me tenha feito sentir verdadeiramente grata nesse ano? Nenhuma.

Foi definitivamente o pior ano que tive o desprazer de viver. Foi um ano repleto de desilusões e lágrimas. Não me sinto agradecida por porra nenhuma e se pudesse clicar num botão e apagar este ano da minha vida, não pensava duas vezes.

Tive a minha vida tal como a conhecia completamente virada de pernas para o ar. Desapareceu. Toda a evolução que fiz como pessoa foi arruinada e voltei a começar do zero sem saber bem onde vou buscar as forças para o fazer.

Mentiram-me. Enganaram-me. Usaram-me. Pessoas de quem gostava e confiava. Aprendi que nunca conhecemos realmente alguém e que é raro existir alguém honesto e de bom coração que pense realmente nos outros e não se deixe levar pelo seu próprio egoísmo tentando justificar toda a maldade que faz para se sentir bem consigo próprio. Nunca me senti tão traída como nesse ano.

Tive que me apoiar nem sei eu no quê para poder, finalmente, tentar travar os meus demónios.

A minha ansiedade piorou e a depressão nem vale a pena comentar. Aumentaram-me a dose de medicação para ambas as coisas. E, como se essas duas coisas já não fossem suficientes... Surpresa, surpresa! Fui diagnosticada com PTSD.

Comecei a gastar rios de dinheiro em terapia para conseguir ter força para acordar todos os dias sem desejar que me caísse um meteorito em cima. Agora tenho que estar no gabinete a reviver constantemente coisas que quero esquecer e choro, e choro. Acho que nunca chorei tanto - não sei como não sequei. "Mas tem que ser" diz a psicóloga "Temos que reviver tudo para conseguir superar o trauma. Vai custar mas vamos conseguir e vais sobreviver.". Aguardo ansiosamente por o dia em que posso começar a viver sem ser seguida pelos fantasmas do meu passado.

Tenho que escrever isto porque sinto a raiva que ainda existe em mim a querer explodir e eu não me quero descontrolar. Tudo porque neste ano não houve um único momento onde me tivesse sentido genuinamente feliz. Houve momentos mais alegres que outros mas ao fim do dia continua a sentir um vazio onde antes tinha um coração.

"És uma pessoa fantástica." disse-me uma das mágoas. Olha do que valeu ser assim tão fantástica. Talvez de fosse cínica e egoísta como a maioria agora não me sentisse partida.
Todos os anos tenho lutado para ser uma pessoa melhor mas, numa questão de minutos, tudo desapareceu. Deixei que o ódio voltasse a entrar em mim. Não gosto de odiar. Não me sinto bem a odiar alguém. Mas agora não consigo controlar. Odeio aquela pessoa e não lhe desejo bem. Agora, tenho que voltar a pegar em mim e voltar a aprender a não odiar. A aceitar o que é e largar o que passou. Mas é uma aprendizagem difícil. Tento realmente não desejar nada de mal. Mas ainda não lhe desejo bem. Desejo que o que me fez, volte três vezes de volta, tal como dita a lei tríplice. Se for bom ou mau... É uma questão de perspectiva. No fim todos nós temos aquilo que merecemos.

Agora tenho que ter força o suficiente para me agarrar a um apoio invisível para sobreviver. Para parar de ter medo. Para parar de me massacrar e parar de me sentir culpara por coisas pelas quais não tive culpa. Não sou o que aquela voz negra na minha mente diz que sou. Sou mais que isso. Tenho que superar o que me aconteceu no passado e aceitar-me tal como sou. Não posso deixar que um momento e toda uma tortura psicológica dite aquilo que sou. Tenho que parar de ter medo de falhar.

Poucos dias antes de acabar o ano, uma pessoa disse-me que nós é que escrevemos a nossa história e temos que nos escrever como as guerreiras, não as vítimas. Fui efectivamente uma vítima mas daqui para a frente vou tentar ver-me como uma pessoa que sobreviveu. Errei em apoiar-me por completo numa outra pessoa e vê-la como salvadora. Ela abandonou-me e vi-me sozinha. Aprendi que só posso depender de mim. 

Portanto, as minhas resoluções de ano novo?
Continuar a terapia e evoluir sem deixar que a PTSD me volte a prender. Sobreviver até conseguir viver. Aprender a ser feliz.

domingo, 31 de dezembro de 2017

FairyLoot Dezembro 2017: Oh So Regal

A FairyLoot deste mês teve como tema a realeza! Todos os artigos nelas contidos estão ligados a personagens de sangue-azul.

Estava bastante curiosa com esta crate, principalmente porque era a do mês de Natal, por isso pensei que podia ser especial. Afinal foi uma crate como todas as outras - o que não tem problema nenhum.


sexta-feira, 29 de dezembro de 2017

Dinossauros Alive

E de que maneira passei a minha última folga do ano?! 

Fui ver uma exposição de dinossauros que aparentemente era virada para o público infantil e eu não sabia, yay!



Tomei conhecimento desta exposição através de posters no metro de Lisboa e, para quem não sabe, eu desde que me lembro de existir que amo dinossauros. Quando não sabia ler já dizia que queria ser paleontóloga (ou arqueóloga, porque pensava que era tudo a mesma coisa). Hoje digo a mesma coisa quando me perguntam o meu dream job ou o que eu gostava de ter seguido, por isso podem ver como sou mesmo uma pessoa de ideias fixas.
Os anos passaram mas o amor a esses bichos extintos sempre se manteve. A minha infância foi recheada de dinossauros e ainda hoje vibro a ver os Jurassic Park e Em Busca do Vale Encantando.

E assim lá fui eu, um dia após ter visto esse poster no metro que coincidiu com a minha última folga de 2017, à Cordoaria Nacional.

Chegando lá só vejo crianças. Ugh. Cheguei rapidamente à conclusão que aquilo era para putos. Mas já lá estava, ia entrar! A culpa também foi minha: não pesquisei nada sobre a exposição, só fiquei com o pito aos saltos para ir ver algo relacionado com dinossauros. Descobri isso à noite e na manhã seguinte estava lá.



sexta-feira, 22 de dezembro de 2017

Hotel para a Comic Con

Este post é só mesmo principalmente para mostrar as refeições lá tomadas, ahaha. Quem não gosta de tirar fotos a comida?!

O hotel em que passei as noites da Comic Con é o TRYP Porto que fica a 5 minutos a pé do local do evento. É um hotel 4 estrelas. Fancy, I know.

quinta-feira, 21 de dezembro de 2017

Compras na Comic Con

Fui bem preparada para fazer compras na Comic Con!

Realmente o que não faltava ali era onde gastar dinheiro. Mas, muito estranhamente, comprei muito pouco. Havia muita coisa que queria mas achei os preços demasiado inflacionados e, sinceramente, conseguia comprar quase tudo por mais de metade do preço no eBay. Desta vez decidi-me ficar pelas bancas dos artistas.



Apaixonei-me pelo trabalho da Soni da BohemianWeasel e foi onde gastei mais. Foram 5. Um da Branca de Neve, outro da Bela Adormecida, um do White Council de LotR, outro da corrupção de Sauron e por último o rapto da Perséfone por Hades. A artista era um amor e super simpática. Foi um prazer comprar-lhe trabalhos.

À Inês Barros, como lhe prometi, comprei o set de stickers de Alice in Wonderland e um outro da Sansa Stark de GoT.

Ganhei um sticker da Yennefer do Mikestration! Uma moça que estava nessa banca abordou-me super fangirl da Yen e pediu para tirar foto comigo. Falámos um bocadinho e depois o moço da banca ofereceu-me o sticker. Foram tão queridos! Fiquei foi com vergonha porque sou parva e não sei como reagir a estranhos que são simpáticos comigo e não vi tanto quanto o queria do trabalho deles, mas hei-de lhes comprar outros stickers do Witcher para ficar com a colecção toda! Se algum de vocês alguma vez ler isto: Obrigada. Foram um dos melhores momentos do dia. :)

Também comprei um sticker do brasão dos Slytherin e um Calcifer de Howl's Moving Castle a uma banca cujo o nome não tenho porque não vi lá nenhum cartão para levar... E da banca ao lado que também não sei o nome, um sticker da Death de Sandman.

Comprei também um peluche do Loki na loja Mibustore que tem os designs mais fofos de sempre de várias das minhas personagens preferidas. Foi muito difícil escolher só um.

E por fim, a loja que queria ver ao vivo à séculos! A Jewels Don't Shine. É basicamente bijutarias com frases bardajonas. Eu queria levar tudo e tive que me conter para levar só um colar para oferecer à BFF (que é uma vaca) que diz "Na Índia Eras Sagrada". Tenho que ter coisas daí! Mas vão ter que ser compradas online.

De goodies ganhei as fotos temáticas que tirei e cartas do Continente de Star Wars.

E pronto, compras feitas. :)

Comic Con - Último Dia

Chegou então o último dia. :'(

Novamente: manhã calma e tomar lentamente o pequeno almoço (comer que nem um monstro para não ter que almoçar). Feito isto fomos fazer as malas para fazer o check out.

Tinha levado um outro cosplay para usar no sábado - de Harley Quinn clássica - mas decidi deixar para a próxima porque achei que ia dar muito trabalho estar a vestir-me e a despir-me no WC do hotel (e também porque já havia demasiados cosplays iguais e eu não gosto de ser igual a todos).

As malas ficaram no bengaleiro do hotel e nós fizemos tempo na sala de espera até ser mais perto da hora de almoço (na minha inocência achei que estaria menos pessoas a essa hora na Comic Con) e da hora do B. ir embora. Nesse dia ia ter apenas a minha própria companhia e tinha planeado passar o dia à civil a ver se descobria coisas que me tivessem escapado no dia anterior.

Cheguei ao evento e.... Pandemónio. Que caos! Estava lá tanta, mas tanta gente! Tinha que me estar sempre a desviar para conseguir andar de um lado para o outro; havia filas e mais filas intermináveis para tudo e mais alguma coisa... Mesmo aquele tipo de ambiente que detesto.
Como é óbvio não consegui ver nada nem ninguém. A zona da restauração era toda ela uma fila. Era impossível levantar dinheiro. Horrível.

Do nada, estava eu numa das filas diabólicas a matar tempo no Facebook quando vi que a página da editora Saída de Emergência anunciaram um concurso em que os cinco melhores cosplays de The Witcher ganhavam um prémio surpresa.

FODA-SE! Quer dizer, tinha mesmo que ser no dia em que não tinha o cosplay de Yennefer vestido que podia ganhar algo com ele?! Era certinho! Não tinha visto mais ninguém com cosplay de Witcher no evento.

Que fiz eu? Fui a correr até ao hotel, pedi para tirar uma coisa da mala e fui à pressa vestir-me para o WC (exactamente aquilo que não queria fazer, ahaha). Não houve cá paxorra para cintas, corpetes e cintos nas botas. Nem mesmo peruca. Felizmente que tenho o cabelo preto aceitávelmente parecido ao da Yennefer.



De cosplay fui ao bar do hotel comer uma tosta mista contra o tempo e voltei a correr para a Comic Con. Cheguei mesmo a tempo. Esperei um bocadinho e puff: Ganhei um dos prémios, LOL. Acho que fui a única a aparecer mas ok!
Feito isso, volto novamente ao hotel, peço a minha mala, volto ao WC, tiro o cosplay e volto a estar à civil. 

O que pensei que seria um dia calmo por já ter quase tudo visto, do nada acabou por ser um dia em que andei a correr deu m lado para o outro cheia de pressa para acabar por ganhar um prémio surpresa... Que era, nem mais nem menos, o primeiro livro da saga The Witcher que já tinha LOL. Foi um fail tão grande que acabei por morrer a rir no fim. 
Mas tive direito a um momento espetacular: Ter o Night King a correr para mim a gritar "OMG YENNNN!!" :')



E do nada estou novamente no comboio de volta para casa, já com um sentimento de saudade.

Em suma, gostei da Comic Con. Tem definitivamente mais coisas e actividades que os últimos eventos de que tenho tido conhecimento. No entanto não pretendo voltar a ir a um evento dessa envergadura a um fim-de-semana. Demasiada confusão para mim. Adorei todo o dia de sexta-feira e adorava voltar a repetir tudo.
Sei que houve problemas entre organização - convidados - artistas - voluntários mas se me focar apenas na minha experiência como visitante... É bem possível voltar à Comic Con em 2018. :)


Comic Con - Primeiro Dia

Cheguei à Leça da Palmeira na quinta-feira perto da meia-noite depois de um dia cheio de trabalho, por isso foi logo chichi-cama.

Fiquei num hotel a 5 minutos a pé do evento - tempo não foi um problema.
Acordei de manhã, muito calmamente e tomei o pequeno almoço como uma senhora grande. Só depois lá me fui aperaltar, isto é, vestir o cosplay de Yennefer. Há anos que não andava na rua de cosplay! Que vergonha! Felizmente não era nada muito vistoso e não dei muito nas vistas.


Já dentro do evento, dei um giro rápido para dizer olá a amigos que tinha por lá nas bancas de artistas e dar uma vista de olhos em lojinhas para gastar dinheiro.

Fui abordada para tirar fotografias. Já não estava nada habituada a isso! Senti-me sempre tão derp e sem saber o que fazer de vergonha, mas foi toda a gente muito simpática e fiquei feliz por receber elogios de pessoas que conheciam a minha personagem.

Passado um bocado lá apareceu o B. que foi o meu Comic Con Buddy.

Uma vez que era sexta-feira, o evento estava só mais ou menos cheio, ou seja, era possível ver as coisas todas à vontade e com calma sem ter esborrachado por ninguém. Fomos a todos os sítios com fotografias temáticas (TAKE ALL THE FREE PICS!!) e às comprinhas de Natal. Demoramos o nosso tempo e conseguimos ver tudo sem stress.



Fomos almoçar e depois chegou o momento pelo qual estávamos à espera!! A sessão de autógrafos com o Andrzej Swarovski! Fomos para a fila com os nossos livros na mão e lá esperamos nós. Quando chegou a nossa vez tivemos oportunidade de trocar umas palavras com o autor e foi óptimo! Sempre ouvi dizer que ele não é nada simpático e que odeia os jogos baseados nos seus livros e admito que tive algum receio que ele não achasse piada a eu estar com um cosplay de uma personagem dele MAS com o visual dos jogos... Mas o senhor foi simpático e riu-se quando lhe disse que os livros são muito melhores, ao que ele prontamente concordou. Senti-me tão criança feliz depois.

Acabamos por encontrar uns amigos e fomos beber uma cervejinha e conversar e matar saudades. Numa mesa estava a Princesa Leia, o Doctor Who e a Yen.

Quando chegou a hora da sessão dos autógrafos do Filipe Melo, fui para a fila com o B. para lhe fazer companhia. Adorei ter a oportunidade para fazer o meu famoso desafio não ordinário à la Uma Nêspera no Cú ao Filipe e de ter tido direito a uma resposta! Ele foi um máximo e muito simpático.

Antes de voltarmos para o hotel ainda voltamos a ver o Andrzej Swarovski e tirámos fotos com ele que hão-de ficar para a prosperidade! 



Ao fim da tarde decidimos ambos que não conseguíamos esperar mais e... Fomos ao Mar Shopping ver o Last Jedi.

Correr para o hotel, tirar o cosplay e puff. Acabamos o dia a ver esse filme maravilhoso.
Voltamos para o nosso hotel e pronto. 

Assim terminou o meu primeiro dia na Comic Con.